Cidadania continental, resposta ao neofascismo

Désolé, cet article est seulement disponible en portugais européen.

por Marcelo Barros

 

Entre as propostas mais desafiadoras que vivemos na Am√©rica Latina e Caribe, est√° sempre a retomada do sonho de profetas da liberta√ß√£o como Simon Bol√≠var na Venezuela, Jos√© Mart√≠ em Cuba e tantos outros e outras que nos prop√Ķem fazer da Am√©rica Latina e Caribe uma p√°tria grande ou Nuestra Am√©rica, ou retomar para hoje a antiga express√£o dos povos origin√°rios, a Abya Yala, no idioma do povo Kuna, ‚Äúterra madura‚ÄĚ, ou ‚Äúterra em florescimento‚ÄĚ.

Entre os grupos e iniciativas da sociedade civil internacional, os n√ļcleos j√° formados em diversos pa√≠ses do coletivo que se denomina ‚Äú√Āgora de Habitantes da Terra‚ÄĚ t√™m suscitado como plataforma b√°sica de a√ß√£o a consci√™ncia de uma cidadania universal, e que at√© vai al√©m apenas da humanidade e abarca todos os seres que formam conosco a ‚Äúcomunidade da Vida‚ÄĚ no planeta Terra.

Como concretiza√ß√£o desse programa ambicioso, mas urgente, o grupo da √Āgora Brasil olha com confian√ßa e como quem se sente convocado pelo apelo latino-americano e caribenho, relan√ßado por um grupo grande de ministros de pa√≠ses latino-americanos no M√©xico, para refor√ßar os organismos de integra√ß√£o da nossa p√°tria grande.

Julho de 2021 foi marcado por novas agress√Ķes que o bloqueio do Imp√©rio dos Estados Unidos e a guerra midi√°tica que ele patrocina perpetraram contra o povo e o governo de Cuba e da Venezuela. As respostas de grande parte da sociedade civil e dos movimentos sociais organizados nos dois pa√≠ses foram de solidariedade e de resist√™ncia e unidade. Mesmo se, em ambos os pa√≠ses, as pessoas mais pobres e vulner√°veis est√£o sofrendo car√™ncias, e sempre h√° cr√≠ticas construtivas a serem feitas aos governos, a maior parte das pessoas tem consci√™ncia de que tais situa√ß√Ķes realmente lastim√°veis s√£o provocadas pelo Imp√©rio que quer dominar o continente e o mundo.

Nessa conjuntura, no M√©xico, diversos representantes de governos da Am√©rica Latina e Caribe se comprometeram a revitalizar organismos de coopera√ß√£o e di√°logo, como a UNASUL e a CELAC, que na √ļltima d√©cada foram praticamente ignoradas ou mesmo descartadas por governos como os que agora dominam o Brasil, o Uruguai, o Chile e a Col√īmbia (ver sobre isso a entrevista do presidente Nicolas Maduro na Telesur Internacional, 24/07/2021).

Por tr√°s de tudo isso, existe uma amplia√ß√£o e democratiza√ß√£o do conceito de cidadania. Onde h√° discrimina√ß√£o econ√īmica, n√£o se consegue realizar uma democracia social e pol√≠tica, verdadeira e completa. Apesar de que, em quase todo o mundo, homens e mulheres, das mais diferentes ra√ßas e cores, conquistaram, ao menos juridicamente, a igualdade perante a lei e o reconhecimento de sua dignidade e seus direitos humanos, todos n√≥s sabemos que, na atual forma como o mundo est√° organizado, a vida de algu√©m branco e com documentos de identidade da Europa Ocidental ou dos Estados Unidos e Canad√° vale mais do que a vida de cem africanos ou 50 latino-americanos. Al√©m disso, em quase toda a Am√©rica Latina, os povos origin√°rios ainda s√£o socialmente marginalizados. √Č urgente libertar muitos trabalhadores e trabalhadoras, urbanas/os e rurais, ainda mantidos em regimes equivalentes √† escravid√£o. Em quase todos os pa√≠ses, ser negro significa tamb√©m ser pobre. Al√©m disso, a mulher, por ser mulher, ainda sofre discrimina√ß√Ķes.

Transformar essa realidade s√≥ √© poss√≠vel atrav√©s de lutas em v√°rias inst√Ęncias, desde as pol√≠ticas de base e a educa√ß√£o popular, at√© o apoio √† autonomia dos pa√≠ses e o direito de cada povo escolher o governo que quiser, seja o Socialismo em Cuba, o Bolivarianismo na Venezuela e um Sandinismo novo e mais aut√™ntico na Nicar√°gua, como o direito do povo peruano, que acaba de eleger como presidente um professor de escola elementar do interior do pa√≠s.

O desafio ecológico e a sustentabilidade do planeta exigem rapidamente mudanças civilizatórias, e isso também está sendo verdadeiramente assumido e amplamente discutido pelos grupos de base, movimentos sociais e pelos setores mais conscientes da sociedade civil.

Muitas pessoas e grupos ligam estes processos sociais transformadores √† busca de uma espiritualidade que contempla no universo e em cada ser humano a presen√ßa divina do Esp√≠rito que √© Amor e fonte de amor. Para quem busca viver a mensagem prof√©tica vinda da tradi√ß√£o judaica e crist√£, fortalecer n√ļcleos locais ou regionais da √Āgora de Habitantes da Terra √© um modo atual e laical de atualizar o primeiro movimento do profeta Jesus e contaminar o mundo de pequenos n√ļcleos de amorosidade e justi√ßa transformadoras, testemunhas do projeto divino de paz, justi√ßa e liberta√ß√£o para a humanidade e todos os seres vivos.

 


(imagem: <a href=’https://br.freepik.com/fotos/educacao’>Educa√ß√£o foto criado por wirestock – br.freepik.com</a>)