… Tarde cinzenta

Désolé, cet article est seulement disponible en portugais européen.

Poema do livro “Ave Terra”, de Euler C. Cruz (2000)

 

XIV

Tarde cinzenta
névoa.

Intensa
a chuva cai sobre as copas
mas pelo crivo das ramas
asperge o chĂŁo devagar.

De onde estou
vejo as gotas que insinuam-se
por folhas secas
raĂ­zes
como insetos de cristal.

Me aquieto aos poucos
me amanso
e do silêncio lanço
minha alma
aos lĂ­quidos fios que fluem.

Qual finos fusos a levam
lentos
pelos poros do solo
aos fundos
escuros lençóis.

Ali repousa minha alma
longamente adormentada
até que o sono a leva em sonhos
a nascente em meio Ă  mata
e a faz ver acima
no azul
entre copas
a mais doce e fina luz do sol.

E Ă  sombra do verde
em meio a pedras e troncos
em fria senda de areia
clara
minha alma corre em cĂłrregos
forma rios
e
serena
chega ao mar.

Visita os recifes
vĂŞ arraias
águas-vivas
peixes azuis
hipocampos
e se encanta com as estrelas
da noite das profundezas
a que desce
a sonhar.

Repousa minha alma
longamente
no oceano
até que alguma corrente
a faz emergir como espuma
sobre as ondas
a surfar.

EntĂŁo
o vento a recolhe
a faz vapor e nuvem
a sopra até as montanhas
onde pura
renovada
cai em chuva sobre as copas
e orvalha o chĂŁo devagar
(meu corpo
já o sinto solo
folha tronco galho
areia pedra escolho
porto parte
vento
mar).